Solstício de Inverno: hoje é o dia mais pequeno do ano

solsticio de inverno

O Hemisfério Norte recebe hoje o Solstício de Inverno, ou seja, o dia mais pequeno do ano. Entramos assim na estação mais fria do ano e os dias começam a crescer.

EXPEL THE BAD ENERGIES FROM YOUR LIFE!

Free yourself from the weight of negative energy. Discover a lighter path to happiness.


Learn to do it and live in abundance.

Click Here »

Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, o Solstício de Inverno ocorre esta sexta-feira às 22h23. O fenómeno marca o início do Inverno no hemisfério norte. Aqui permaneceremos até ao equinócio da Primavera, que acontece só em março. É curioso conhecer algumas curiosidades ligadas a este dia, que muitos povos já encararam como celebração. Está inclusivamente relacionada, com o facto de celebrarmos o Natal durante estes dias.

Factos sobre o Solstício de Inverno

A palavra “solstício” deriva do latim “solstitium”, que se refere ao sol, e a “sistere”, que significa qualquer coisa como estar parado. Realmente, este termos advém do facto de a posição do sol no horizonte, ao meio-dia. Esta posição significa uma aproximação ou recuo, ao longo do ano, o que determinar as estações e as diferenças de temperatura. Hoje o sol vai num ponto central, mas longe da Terra. Ou seja, estamos perante o dia mais curto, com menos luz natural.

Hoje em dia, o solstício é encarado como um fenómeno astronómico, a partir da posição do espaço e da Terra em relação ao sol. Antigamente, as pessoas estavam focam a sua atenção na luz solar e no impacto na vida quotidiana e, sobretudo, na agricultura.

São muitas as tradições de povos antigos, ligadas ao solstício. Os Romanos dedicavam-no ao deus Saturno, pela sua relação à agricultura e à ligação a Capricórnio, na astrologia. As festividades saturninas ocorriam durante o solstício de inverno. Eram momentos de exagero por parte de todos os intervenientes, com muito álcool e outros prazeres à mistura.

Lentamente, foram sendo substituídas por outras tradições, incluindo as cristãs mais natalícias, após a queda do Império Romano. No entanto, é curioso notar como se mantêm no mesmo período temporal.

Os povos pagãos escandinavos e germânicos acreditavam que esta época do ano era símbolo de morte e renascimento. A morte da luz e as dificuldades passadas nos meses duros de inverno, tinham um grande impacto nas populações para as as quais o sol era o símbolo de vida e de alimento.

Sacrificavam-se animais e acendiam-se fogueiras, para aproveitar aquela que seria a última carne fresca, durante longos meses. Muitos encaravam este fenómeno como a morte do velho sol, e o renascimento do novo, que entrava assim na sua infância.

Sabia também que o monumento Stonhenge está alinhado com o pôr-do-sol, no dia de hoje? Mais uma prova da importância do sol nas vidas dos nossos  antepassados, que ainda hoje é fundamental.

 

Artigos sugeridos


Olá, este artigo foi útil para si? Partilhe!

Júlia Rocha

Gestora e criadora de conteúdos para marcas, com paixão por grandes histórias. Nunca sai de casa sem papel e caneta, e adora longas viagens.